goner

Cansada dessa vida

Bem... cheguei ao ponto de não conseguir me expressar, desabafar, com ninguém, pois não tenho em quem confiar. Sofrer calada, guardar tudo para mim, me fechar para tudo e todos, e ter apenas a minha apatia a oferecer, tem sido uma morte lenta e gradativamente dolorosa.
De quem é a culpa por eu me sentir assim? É minha. Eu me tornei um lixo por minha causa. Já nasci com defeito. Um ser repugnante, fadada a solidão, e a negligencia dos que diziam ser meus pais.
Eu morava com meus pais, que diariamente brigavam, meu pai agredia minha mãe, e eu presenciava aquilo tudo, e até hoje vejo as consequências que ainda me causa. Então meu pai descobriu que minha mãe o estava traindo com seu primo, a expulsou de casa, e não deixou que me levasse. Então eles me entregaram pros meus avós (pais do meu pai), com 4 anos de idade (2004), a minha mãe foi embora sem se despedir de mim, quando cheguei na casa que a gente morava e minha mãe não estava lá. Meu pai apenas entregou minha mochila e meu ursinho para minha prima, e me deixou sem nenhuma palavra ou explicação, e minha prima me levou para a casa dos meus avós.
A primeira vez que minha mãe me visitou eu estava prestes a fazer 6 anos, ela só ia do portão pra fora. Era estranho, todo mundo agia estranho. O momento que mais doeu foi quando ela foi embora, e ninguém me explicava, eu não entendia porque a minha estava indo embora sem mim. O meu pai não deixava eu ir na casa dela. A partir daí ela me visitava no máximo 2 vezes por ano, a cada ano que se passava ela se tornava desconhecida, para mim, falar a palavra MÃE era muito estranho porque eu não sentia que tinha uma mãe, sei lá, parecia que eu não tinha o direito de chamar ela de mãe. Isso me fazia sentir uma tristeza tão grande, e eu não podia desabafar com ninguém ao meu redor, ninguém me entenderia, pois todos tinham seus pais incríveis e presentes, eu era a que estava sendo "mal agradecida". Meus pais se separaram da pior forma possível, e eu sofri as consequências de uma coisa que eu não tive culpa. O medo do abandono era tão grande, eles nunca gostaram de mim de verdade, apenas tinham que aturar que eram meus pais já que não tinha volta. Acho que meu pai quando olhava para mim lembrava da traição da minha mãe, e ela das agressões dele. Eu me sinto muito culpada por ter nascido. Isso tudo é culpa minha. Nunca pagaram pensão, e meus avós e minha tia tiveram que aguentar um fardo, que não era deles.
Meu pai não era ruim para mim, pelo contrário dos meus seis aos dez anos ele fazia uma festa de aniversário todo ano, mas na verdade eu não me importava com o que eles me davam, eu era muito grata, claro, mas as únicas coisa que eu queria eles nunca me deram, carinho, amor, estar lá para quando eu precisasse desabafar, eu queria sentir que se importavam comigo, que nos momentos difíceis eles estivessem lá para me defender, que dissessem que me amavam. Mas não, nunca se importaram, nunca ouvi um eu te amo, nunca.O que mais me doía era eles acharem que era só eles me darem presentes que estava tudo certo. Claro que eu gostava de ganhar presentes, que criança não gosta? mas coisas materiais nunca vão substituir o afeto.
Eu era uma criança muuuito ciumenta (infelizmente ainda sou), toda namorada que meu pai arranjava eu tinha muito medo dele me abandonar, meus parentes paternos, primos, tios, tias, sempre faziam piadinhas de que meu pai iria arranjar uma namorada e que ele teria filhos com ela, faziam por pura maldade e ainda me culpavam por ter ciúmes do pai, isso me deixava muito mal, todos eles tinham uma estabilidade familiar legal, e eu me sentia muito, muito mal, por ser a unica naquela situação, no fundo eu sabia que era só meu pai arranjar outra família ele me abandonaria.
Em 2009 ele conheceu uma mulher, ela tinha uma filha de quatro anos, uma vez eu fui em um bar com ele, ela estava, depois meu pai estava dentro do bar e la fora com outras crianças brincando, ela também estava lá fora com as amigas dela, e elas começaram a me "zoar" falando que ela teria um filho do meu pai, e que ele me deixaria. Eu nunca, NUNCA vou esquecer daquilo. Elas sabiam q eu tinha sido abandonada e brincaram com a minha dor. Meu pai começou a namorar com ela, e sempre tava na casa dela, ou levava ela para a casa que eu,ele e minha mãe morava, ela era cínica, queria que meu pai me abandonasse e se tornasse pai para a filha dela,e foi o que aconteceu. Me magoou demais um episódio em que minha mãe havia me dado um chaveiro de ursinho, eu gostava muito dele, e eu dei ele ao meu pai com todo amor, queria lhe dar um presente para demonstrar que ele importante para mim lhe dando algo que era valioso para mim. E o que ele fez? deu para a enteada dele, aquele me magoou demais. 1 ano depois eles foram morar em uma fazenda nao tão longe da casa dos meus avós era onde a gente pegava ônibus. Um dia eu fui com tio buscar a minha tia que vinha no ônibus, enquanto esperávamos ele me chamou para conhecer a casa dele, eu senti um aperto no peito quando cheguei na porta e a enteada dele estava enrolada na minha coberta, com coisas que eram da NOSSA casa, da minha mãe, eu comecei a chorar e sai, e ele brigou comigo. Aquilo me deixou muito mal.
Depois de um tempo eu passei a dormir algumas vezes, conviver com eles, eram legais, mas eu me sentia excluida, aquela era a família dele, e eu estava sobrando apenas recebendo migalhas de atenção. Ele se tornou um estranho para mim. E eu passei a ser só "a menina que meus avós e minha tia criavam".
Só quando eu tinha 11 anos que me contaram sem nenhuma delicadeza o porque dos meus pais terem se separado, e que meu pai tinha sido preso quando eu tinha 6/7,anos, eu fiquei sem ar, impactada na hora, pelas mentiras que sempre me contavam, uma vida de mentiras,passei a ter problemas de confiança, a cada dia meu pai se esquecendo de mim e eu sozinha,meus avos e minha tia sempre foram muito bons para mim faltou nada material, mas eram frios comigo, eu não tinha a quem recorrer, quando queria algo, obviamente eu pedia a eles com quem eu sempre morei e cresci, eles me davam depois de relutar sempre me lembrando que eles não eram meus pais. Isso era realidade o que eu podia fazer? pedir algo a uma mãe que não tinha praticamente nem contato, um pai que estava ocupado demais com a familia dele. Nestes momentos eu via que realmente não tinha ninguém.
Na adolescência eu comecei a me tornar um lixo, tinha tanta mágoa, raiva, tanta coisa que eu guardei para mim acumulada. Não conseguia lidar com as minhas emoções,me afastando e magoando todos ao meu redor, criava coisas na minha cabeça, paranóias, desconfiança, eu sentia as consequências de um abuso psicológico, de todos os meus pensamentos guardados para mim, de como foram negligentes comigo e destruiram minha vida, eu me destrui.
Infelizmente havia momentos em que sentia muita raiva e acabava descontando nos outros e deixava de conversar por causa da minha merda de ente bloqueada, dava para ver a decepção nos olhos do meus avós.
Em 2014 eu resolvi que iria me matar.Chegou 2015, 2016, 2017, 2018, 2019 nesse tempo todo estive apenas vegetando me isolando das pessoas, pois não tive coragem, a muitos anos venho pesquisando alguma forma forma rápida de me matar, o medo é irônico né?! ele não me deixa viver, não me deixa morrer.
de 2014 aconteceu tanta merda na minha vida, a cada esperando uma melhora, mas ela nunca vem.
Em junho de 2019, estava tão esgotada, como eu estava desde 2014, parei de conversar com meu pai, cansada de ele só me usar quando precisa de algo, a última vez que recebi um abraço dele foi em março de 2017, e eu que tive a iniciativa. Estou cansada te ter que aguentar calada, ele nem me comprimentava mais, só mandava, lembrava de mim quando era para fazer algo pra ele, nunca se importou em perguntar se estava bem, enquanto eu assistia ele a família perfeita dele. Hoje não converso com meu pai, nem com minha mãe que eu achava que tinha mudado e se importava comigo, mas provou que estava errada ano passado, quando me apunhalou pelas costas me usando para atingir o meu pai, me fazendo passar por uma situação em que fizeram comigo o que eu mais odeio : MENTIRAM.
Acabaram com a minha vida e me descartaram como se eu fosse um lixo. E foi o que eu me tornei UM LIXO QUE CONSEGUE FAZER COM QUE TODO MUNDO QUE ME CONHECE ME ODEIE. EU ME ODEIO!
Hoje em 2020, tenho 20 anos e nunca trabalhei, a fobia social, depressão,bipolaridade, parece que sinto tudo ao mesmo tempo, e tenho pânico de sair PÂNICO. A última vez que fui em uma festa foi em 2017, não da mais, ninguém me entende, se nunca falar como me sinto eles nunca vão saber, não confio em ninguém. A "famìlia" apenas minha prima e minha tia nunca me abandonaram, mas eu sei que elas estão cansadas de mim. Todos os outros parentes falam que eu sou "folgada", "preguiçosa", "que não quero trabalhar", "falam que eu quero viver para sempre as custas da minha tia" e "ficar com a casa dela", e por Deus, ouvir essas coisas me dói pra caralho, se soubessem que já morri por dentro. Meu maior erro foi não ter me suicidado antes. Talvez as coisas não teriam chegado a esse ponto. Se eu pudesse voltar no tempo eu teria me enforcado no meu cordão umbilical. Eu me odeio tanto, acho que eu sou tudo que há de ruim no mundo, uma pessoa negativa, um virus da tristeza e do rancor.
Mas não aguento mais, peço a Deus coragem, pois pretendo acabar com isso esse mês. Eu não aguento mais ter viver neste mundo, nada que eu faça poderá mudar as coisas que eu fiz e que fizeram comigo. Só quero morrer e não ser um peso morto para minha tia, a unica que sempre esteve ao meu lado, mesmo eu sendo um lixo, uma pessoa ignorante, horrível.
Sinto que eu poderia escrever miais um milhão de coisas e que nao seriam suficientes para descrever o que sinto. Então é isso.

3 Respostas

Anonimo

Pelo amor de Deus tira o pensamento de suicídio, tenta procurar ajuda com um psicólogo nas áreas públicas deve ter disponível, você passou por tanta coisa difícil e é uma guerreira, mas não desiste tenta ser forte , sua tia e prima te ama tenho certeza é por isso que elas cuidou de você, ninguém merece passar por algo assim , não sei se você é religiosa ou não mas tudo nessa vida tem um propósito, vou falar algo você jamais pode se culpar ou se odiar você não tem culpa das coisas q seus pais fizeram, mas Tenho certeza q uma hora ou outra eles vão se arrepender de ter feito você passar por tudo isso , tenta viver um dia de cada vez sabe tira essa ideia de se matar essa não é a solução, é engraçado eu falar isso to passando por algo e eu pensei nisso achando q era o fim , mas eu falei pera ai o q ta acotecendo essa não pode ser a única solução se você quiser meu contato pra conversa é só falar . Mas não faz isso por favor . Tenta ter um tempo com você mesmo pra refletir sobre as coisas tentar buscar soluções.

Lukas

Moça, vc precisa de tratamento e medicações... Enquanto não tiver isso ficará neste looping de lamentações e apego ao passado.

Li toda a sua história e realmente é bem tumultuada, mas se culpar e continuar entregue a este martírio não melhora as coisas. Só posso desejar melhoras e torcer pra que busque ajuda... Motivações e palavras de conforto não vão amenizar suas aflições, apenas um médico. Boa sorte!

Solitariazinha

Prove que estão errados! Você não é um lixo! É filha de Deus e ele jamais te abandonará (independente de religião) Ela não te dá uma cruz que você não pode suportar. Seja forte e dê a volta por cima. Família muitas vezes são apenas pessoas em que vc tem que conviver até conseguir andar com as próprias pernas.. vc não é obrigada a conviver com eles para sempre. Eu passei por algo parecido com meu pai e faz 11 anos que não falo com ele (tenho 29) tbm já pensei em me matar por n motivos, mas fui mais forte. Somente este ano comecei a ter paz no coração porque sei que me tornei uma pessoa oposta a ele. Se apague em algo que mude sua vida quem sabe financeiramente ... como um concurso. Acredite que durante a sua jornada você conhecerá outras pessoas boas que muitas vezes são melhores que a própria família. Pai e mãe... são só uma nomenclatura. Se cuide psicólogos ajudam demais

Responder